Europarque recupera lotação após pandemia ter prejudicado o "melhor ano"







 

A análise do presidente dessa autarquia do distrito de Aveiro resulta do facto de 2020 ter sido o ano com mais eventos agendados para o referido centro de congressos desde que, em 2015, o Estado confiou a gestão desse equipamento ao Município da Feira, por um período renovável de 50 anos.

Nunca tivemos tantos eventos marcados num único ano e em 2020 teríamos tido o nosso melhor desempenho de sempre se a covid-19 não nos tivesse obrigado a cancelar essas reservas ou adiá-las, declara Emídio Sousa à Lusa.

A principal atividade desenvolvida nesse espaço ao longo do ano passado foi a relacionada com a vacinação dos cerca de 140.000 habitantes do concelho, mas, uma vez levantadas as restrições sanitárias à concentração de pessoas, o centro de congressos voltou a receber marcações e já tem ocupação até março de 2022.

O presidente da câmara -- e, como tal, responsável máximo da empresa municipal Feira Viva, que assume a gestão executiva do Europarque -- adianta: A procura tem sido tão grande que até nos está a surpreender. Só para os meses de novembro e dezembro temos já 32 eventos confirmados e outros 14 em reserva.

Acrescentando que para 2022 também já estão mais de 100 programados, o autarca afirma que, a manter-se essa tendência, o centro de congressos chegará aos 200 eventos por ano, que era o seu nível de ocupação antes da pandemia.

Desse calendário de ações -- com audiências individuais de 50 a 3.000 pessoas -- constam não apenas encontros institucionais, mas também concertos, espetáculos de stand-up comedy e produções para o público infantil.

Quanto à dimensão dessas iniciativas, 28% envolvem uma participação de 500 a 3.000 pessoas e 72% são para menos de 500 participantes.

Feitas as contas à receita e despesa, Emídio Sousa admite, contudo, que o saldo ainda não está equilibrado. Ainda assim, antecipa: Manter o Europarque custa 600.000 euros por ano e, se tudo se mantiver como previsto nesta fase, contamos ter as contas equilibradas em 2023.

Entretanto, Câmara e Feira Viva preparam-se para avançar com arranjos no exterior do centro de congressos, nomeadamente com trabalhos de pavimentação que já foram adjudicados e deverão começar nas próximas semanas.

Além disso, ainda temos o projeto de reabilitação do edifício principal, que precisa de algumas obras, sobretudo ao nível da eficiência energética, e é provável que essa empreitada ainda se faça neste mandato, conclui.