Venezuela. Portugal reconhece "dificuldades" mas valoriza evoluções







A relação entre Portugal e Venezuela é esta: nós temos dificuldades, mas temos valorizado elementos positivos da evolução política recente, declarou o ministro dos Negócios Estrangeiros português, numa entrevista telefónica à Lusa sobre a conclusão da visita de trabalhos a Nova Iorque, onde esta semana se realizou o debate geral e semana de alto nível da Organização das Nações Unidas, a semana diplomática mais importante a nível mundial.

Durante esta semana, Augusto Santos Silva encontrou-se com o novo ministro dos Negócios Estrangeiros da Venezuela, Felix Plasencia, antigo embaixador e vice-ministro que já lhe era conhecido, para manter este contacto [bilateral], que é sempre muito importante, dada a dimensão da comunidade portuguesa naquele país da América Latina.

Nós valorizamos muito o facto de ter sido formado o Conselho Nacional Eleitoral com representantes do governo e da oposição e também valorizamos muito o facto de nas próximas eleições de novembro, que são eleições para governadores e para autoridades municipais, a oposição participar, explicou Augusto Santos Silva.

Na visão do chefe da diplomacia portuguesa, esses são sinais positivos para o diálogo político intra-venezuelano, aos quais se juntam uma missão de observação eleitoral que a União Europeia está a preparar.

A nível da segurança e bem-estar da comunidade portuguesa e luso-venezuelana, que o ministro afirmou como questão número um na política com Venezuela, Augusto Santos Silva considerou que tem havido também pequenos progressos.

Para Santos Silva trata-se de uma evolução no sentido certo, de que Portugal toma nota, em afastamento da linha vermelha diplomática que se traçava há vários anos.

Durante a semana de alto nível da ONU, em Nova Iorque, o ministro também participou hoje numa reunião bilateral com o México, um dos principais mercados externos para empresas portuguesas.

Augusto Santos Silva teve também uma reunião com representantes de Cuba, um país com que Portugal mantém relações políticas e económicas normais e de qual o ministro português gosta de ouvir na avaliação que faz da situação geral da América Latina.

O secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Francisco André, que também integrou a delegação portuguesa na ONU, manteve encontros com vários países das Caraíbas.

Ainda sobre a região da América Latina, o ministro dos Negócios Estrangeiros participou numa reunião informal dos ministros da Secretaria-Geral Ibero-Americana (SEGIB), onde o tema central foi a apresentação de candidaturas para o novo secretário-geral.

Segundo Santos Silva, há quatro candidaturas: da Guatemala, Chile, Peru e Equador e a ideia é decidir que candidatura apresentar aos Chefes de Estado até à reunião de ministros a acontecer na República Dominicana no fim de novembro.

Um processo que considerou exigente, porque a escolha depende de um consenso entre os 22 Estados-membros.

Leia Também: Caracas solicita extradição de ex-diretor dos serviços secretos militares